English French German Spain Italian Dutch RussianJapaneseKoreanArabicChinese Simplified

Nome popular: sauim-de-manaus.


Classe: Mammalia

Ordem: Primates

Família: Callithrichidae

Gênero: Saguinus

Espécie: Saguinus bicolor
CARACTERÍSTICAS: Comprimento: 20 cm - cabeça-corpo 208-283 mm - cauda 335-420mm Peso: pesa em média 500 gramas Reprodução: sua gestação dá-se em torno de 140 a 150 dias A fêmea pode cruzar 2 dias após o parto procriando a cada seis meses e gerando em média de um a dois filhotes.

Primata mais ameaçado

O sauim de coleira pertence à Família Callitrichidae, que compreende os primatas neotropicais de tamanho pequeno (117 a 336mm), com peso de 125 a 583g, fórmula dentária 2i, 1c, 3pm, 2m, unhas em forma de garra (exceto o polegar), com parição de um a dois filhotes (gêmeos falsos) uma ou duas vezes ao ano. O sauim de coleira é o único calitriquídeo na região de Manaus. Sua distribuição se estende a leste, chegando até a cidade de Itacoatiara, e a cerca de 40km ao norte de Manaus. Devido a esta distribuição restrita e aos poucos dados disponíveis na literatura sobre sua biologia e ecologia, foi incluído nas listas nacionais e internacionais de espécies ameaçadas de extinção. As informações disponíveis indicam que o sauim de coleira é insetívoro-frugivoro (se alimentando de insetos, frutos, néctar e exsudados de árvores), vive em grupos com cerca de 10 indivíduos em uma área de 12 a 21 ha, e pare dois filhotes duas vezes ao ano. A proteção de áreas verdes na região de Manaus e arredores; campanhas de educação ambiental realizadas junto à população local sobre sua importância como patrimônio da biodiversidade amazônica; melhor planejamento, manutenção e supervisão dos grandes projetos governamentais de desenvolvimento para a região; e mais estudos sobre sua biologia e ecologia são fatores primordiais para a preservação da subespécie

Sagui de tufos brancos

Consumo de carne de macaco ameaça espécie da Amazônia

Até 5,4 milhões de macacos são caçados e consumidos anualmente na Amazônia brasileira, colocando em risco as populações naturais de primatas, alertaram as organizações ambientais Care for the Wild, com sede na Grã-Bretanha, e Pro Wildlife, baseada na Alemanha.
Você que compra estes animais, para comer ou para tê-los como estimação, significa que é o mesmo que se compra-se uma pessoa ou escravizá-la. Os animais de espécie diferente das nossas, tem que ter o mesmo respeito que você deseja que outras da mesma espécie sua, a respeite. Agora se sabe quem faz tamanha crueldade, e não denuncia, é ainda pior que estas espécie chamada de humanas.Macaco barrigudo da Amazônia

Nome popular:Macaco Barrigudo

Filo: Chordata

Classe: Mammalia

Ordem: Primates

Família: Cebidae

A cauda do macaco-barrigudo é preênsil, como a da maioria dos primatas americanos, e ele a utiliza constantemente: para se dependurar nas árvores, enquanto colhe as folhas e frutos de que se alimenta, para trepar nas árvores, ou para se agarrar a um galho enquanto dorme. Esse animal é encontrado em grande parte da região amazônica, mas também habita a Colômbia e o peru. A pelagem do macaco-barrigudo é curta e espessa, podendo ir do cinza ao preto. As orelhas pequenas e a cabeça redonda, inteiramente coberta dos mesmos pêlos curtos, dão-lhe uma fisionomia inconfundível. A cauda, comprida e forte, tem uma placa pelada do lado de dentro, perto da ponta.
O macaco-barrigudo desloca-se com rapidez incrível e pode dar saltos espetaculares de uma árvore para outra. No chão adota a posição bípede com a cauda voltada para cima. Vive só ou em grupo em torno de 20 indivíduos, às vezes encontrado na companhia de macacos-aranha ou bugios. O filhote, sempre único, nasce depois de uma gestação de sete meses e meio. O período de vida, em cativeiro, pode chegar a vinte anos.

Veja aqui a lista dos animais em extinção


Conheça as belezas da Fauna Amazônica.

ARARA-PIRANGA ou ARARA-VERMELHA
(espécie maior, com penas verdes nas asas e face com tradicional fileira de penas vermelhas)

Nome científico: Em verdade, o taxonomista e autor G. R. Gray, classificou a arara-vermelha como Ara chloropterus, isso em 1859... Entretanto, de acordo com as práticas atuais (parece que desde 18/04/2002), o nome dessa espécie tem sido utilizado cientificamente como Ara chloroptera... Embora muitas biografias dizem que ambos nomes científicos são sinônimos.

  • Nome em inglês: Gian Red Macaw / Red and Green Macaw
  • Nome em espanhol: Guacamayo
  • Nome científico: Ara chloroptera ou Ara chloropterus
  • Nomes populares: arara-verde-e-vermelha, arara-verde, arara-vermelha.

Segundo o site ITIS – Integrated Taxonomic Information System (http://www.itis.gov/), o nome Ara chloroptera é inválido e o nome Ara chloropterus é válido.
Também segundo o IBAMA, o nome correto é Ara chloropterus, embora em seu próprio site duas páginas sobre tráfico de animais mostram o outro nome: http://www.ibama.gov.br/fauna/trafico/região_norte.htm (9: Ara chloroptera) http://www.ibama.gov.br/fauna/trafico/região_sul.htm (11: Ara chloroptera).

Bicho-Preguiça: Foto Allan-Local; Am 010

Reino: Animália
Filo: Chordata Classe: Mammalia Ordem: Xenarthra (anteriormente chamada de Edentata ou Desdentada) Famílias: Bradypodidae e Megalonychidae


INFORMAÇÕES, HABITAT

  • O bicho-preguiça é um mamifero com hábitos de vida noturnos
  • Podemos encontrar estes animais em florestas tropicais da América do Sul, América Central e Mata Atlântica.
  • Vive em pequenos grupos, embora possuam vários hábitos solitários vivem entre 20 e 40 anos.
  • Todos os dedos têm garras longas pelas quais a preguiça se pendura aos galhos das árvores, com o dorso para baixo.
  • Sua alimentação baseia-se em folhas, raízes, brotos de algumas espécies de árvores(gostas muito do broto de Embauba: Cecropia hololeuca"conhecida tambem como árvore-da-preguiça)e frutos
  • Dorme cerca de 14h por dia e desce uma vez por semana para fazer suas necessidades fisiológicas.
  • Seu nome advém do metabolismo muito lento do seu organismo, responsável pelos seus movimentos extremamente lentos.
  • Descem do topo das árvores apenas uma vez por semana com o objetivo de fazer suas necessidades fisiológicas
  • Existem várias espécies, divididas em duas famílias: Bradypodidae (possuem três dedos em cada braço) e Megalonychidae (dois dedos).
  • Tem como defesa sua camuflagem e suas garras. O seu principal predador é a onça-pintada.

Sucuri

jacare

Jacaré

Os jacarés e os aligatores são répteis da família Alligatoridae da ordem Crocodylia. São animais muito parecidos com os crocodilos, dos quais se distinguem pela cabeça mais curta e larga e pela presença de membranas interdigitais nos polegares das patas traseiras. Com relação à dentição, o quarto dente canino da mandíbula inferior encaixa num furo da mandíbula superior, enquanto que nos crocodilos sobressai para fora, quando têm a boca fechada.

Espécies (Fonte:Wikipédia a enciclopedia livre)

Fotos incríveis: as belas e esfomeadas plantas carnívoras

Carni

Não são apenas os animais que se alimentam de plantas: algumas vezes são os bichos que viram a “salada” delas.

Embora haja descrições de plantas se alimentando de humanos, até hoje não encontramos nenhum vegetal que tenha realmente digerido uma pessoa – então aquelas enormes plantas carnívoras prontas para te mastigar são um mito.

Mas não se iluda. Algumas plantas estão longe de serem inofensivas e não se alimentam apenas de insetos, mas de animais maiores.

carnivora

Uma das mais conhecidas é a chamada “Armadilha de Vênus” (acima), que vive em áreas úmidas e em pântanos, se alimentando de pequenos insetos. Algumas pessoas até as adotam como “plantinhas de estimação” e caçam formigas para alimentá-la. O mais incrível sobre essa planta não é a sua aparência, mas seu mecanismo. Qualquer bichinho que fique preso entre suas “mandíbulas” acaba preso em uma armadilha similar às usadas para prender patas de ursos e outros grandes animais. Depois as folhas se fecham e viram um estômago, borbulhante de enzimas que digerem sua presa.



tubo

As plantas “de jarro” usam uma técnica mais simples – elas atraem suas presas usando um perfume irresistível. Quando os bichinhos, encantados com o maravilhoso cheiro, se aproximam, eles caem dentro dela e não conseguem mais sair, sendo digeridos pela belíssima assassina. Esse tipo de planta aparece em todos os tamanhos e as maiores não atraem apenas insetos, como se alimentam de ratos e de pequenos lagartos.

lirio cobra

Essa variedade acima de planta de jarro é conhecida como “lírio cobra”, por seu formato peculiar. Ao contrário de suas companheiras, ela não consegue digerir seus lanches sozinha, pois não têm as enzimas necessárias. Bactérias em seu interior fazem o “trabalho sujo” enquanto ela aproveita os nutrientes já processados por elas.

orvalho

Fonte: [DarkRoastedBlend]

Counter